Inspira. Expira. Inspira. Expira. São tantas as repetições, desde sempre, que nem notamos mais a entrada e a saída do ar. Mas nessa respiração tão automática e essencial para a vida está uma das chaves para melhorar nosso bem-estar.

Aprender a respirar direito é quase tão importante quanto ter uma boa alimentação e fazer exercícios regulares.

No dia a dia, é comum esquecermos de escutar o nosso corpo, de verificarmos como está a nossa respiração, de observar as nossas necessidades básicas e fisiológicas. 

Queremos interagir com tudo o que nos rodeia e tentamos estabelecer uma proximidade maior com o que nos agrada, certo?

Entretanto, nem sempre estamos com a mente tranquila para contemplar um amanhecer, as ondas do mar, o verde das florestas, o aroma da mata ou o simples olhar de ternura de uma criança. Ou mesmo ouvir um amigo, curtir a família ou focar no trabalho e tarefas que devemos realizar. Por que será?

Falta-nos concentração. Falta estarmos presentes em cada momento de nossas vidas, de maneira integral. A falta de concentração nos leva para longe, para o passado ou para o futuro, com projeções que nem mesmo sabemos se serão realizadas.

Sem esperar, estamos convivendo com uma luta silenciosa dentro de nós mesmos: a ansiedade. Precisamos fazer uma mudança gradual na maneira como nos relacionamos com a vida, com o mundo, com as pessoas, com nossos sentimentos e emoções.

 

Realidade tensa, cuidado redobrado

Diante do cenário atual de pandemia e de crises sociais, históricas e políticas no Brasil e no mundo, tudo vira estímulo mental. O pensamento abrange tantos temas que dificulta saber o que é urgente, importante e essencial. 

O estilo de vida nos grandes centros urbanos é um dos fatores que desencadeiam crises emocionais. Não é à toa que cerca de 70% dos trabalhadores do Brasil sentem-se estressados

Esse não é o único dado preocupante: de acordo com a OMS, o brasileiro é o povo que mais sofre de ansiedade no mundo. Além disso, a organização aponta as questões socioeconômicas como as principais causadoras desses transtornos.

Assim, é impossível não se questionar o que fazer para evitar ou diminuir esses problemas. Uma maneira eficaz, simples e saudável é recorrer à respiração.

Respirar tem uma íntima ligação com o emocional e, da mesma forma que o estado de espírito interfere na velocidade da respiração, é possível controlá-la para acalmar o corpo e a mente.

Ela atua de 2 maneiras para aliviar momentos tensos:

  1. A primeira é fisiológica, pois a ansiedade nos faz respirar rápido de forma rasa e, ao controlar a inspiração, o corpo volta ao equilíbrio;
  2. A segunda é emocional, visto que, ao prestar a atenção na respiração, a pessoa foca no momento presente e a ansiedade é minimizada.

A respiração correta ajuda a compreender, aceitar e cuidar das nossas feridas emocionais, das nossas preocupações.

Mas o que é uma boa respiração?

Não nascemos todos, afinal, sabendo respirar? Segundo diferentes especialistas, entre médicos e terapeutas, uma boa respiração é longa, com inspirações e expirações lentas. É preciso prestar atenção a cada movimento.

A respiração é a âncora do nosso corpo. Por isso, fique atento ao modo como você respira.

Lembre-se de pausar pelo menos 5 minutinhos do seu dia, respirar e olhar para você!

Dificuldades sempre existiram e vão continuar existindo. O que fará a diferença é o modo como são encaradas.

A importância da respiração correta: o corpo agradece

Se engana quem pensa que uma respiração adequada só traz benefícios para a saúde mental, auxiliando no combate ao estresse e ansiedade. Certamente, ela também pode trazer resultados significativos para sua saúde no geral.

A prática regular de exercícios de respiração promove:

  • Redução na pressão sanguínea;
  • Melhora na imunidade do corpo;
  • Aumento no rendimento em exercícios físicos;
  • Melhora das atividades cerebrais;
  • Sensação de relaxamento;
  • Melhora da memória e atenção;
  • Redução do estresse;
  • Melhor qualidade de sono.

 

Como inserir as práticas de respiração no cotidiano?

O primeiro passo é quando há a decisão de querer desacelerar e desenvolver um novo caminho – mais saudável – para a vida. A partir dessa escolha, as atitudes começam a ser modificadas. 

Aliás, não é necessário estar em postura meditativa para desenvolver o hábito da boa respiração. Pode-se, com toda a certeza, vivenciar essa prática de outras formas: ao comer com calma apreciando a textura da comida, o sabor, o cheiro e as sensações de ingerir aquele alimento; ao tomar banho, focando nas funções de contato, como o toque; ao estar em contato com a natureza; ao caminhar; como também nas pausas do dia para a respiração consciente.

Então, que tal começar? Quando praticamos a autocompaixão e a consciência amorosa, conseguimos atravessar os momentos de crise de forma mais leve, equilibrando e renovando as nossas energias para viver melhor. 

 

Inspirar, expirar. É tão simples quanto isso

Basta fechar os olhos. Respire longa e profundamente ou respire regular e lentamente por um minuto. Respire fundo. Agora respire com força. Repita. Concentre-se em sua respiração. Perceba sua respiração.

Tente substituir os pensamentos que se movem rapidamente em sua cabeça com um foco em como cada respiração se sente – as sensações que você encontra enquanto seus pulmões se expandem e se contraem.

Muito bem, agora abra seus olhos. Parabéns, você acabou de respirar com atenção.

 

Agora preste atenção e siga as dicas: 

Para reeducar a respiração, algumas dicas são infalíveis.

 

1. Inspire lentamente pelo nariz

Primeiramente, sinta a expansão abdominal e torácica. Não importa qual aconteça primeiro, desde que seja devagar e com suavidade. Experimente expirar por um período mais longo, vai ajudar você a relaxar.

2. Realize a respiração diafragmática

Ao respirar lenta e profundamente, o diafragma vai se expandir de maneira natural — não force o movimento do músculo. Essa respiração ajuda a regular o organismo e a acalmar o sistema nervoso.

3. Faça intervalos ao inspirar e expirar

Deixe o ar entrar e conte lentamente até três. Segure o ar no pulmão e conte novamente até três. Depois disso, solte o ar realizando a mesma contagem e, antes de fazer tudo novamente, conte mais uma vez.

4. Alongue a expiração

Você pode usar a técnica anterior aumentando a contagem até seis. Ou tente soltar o ar por mais tempo do que você o inspira, sem pausas, ao longo do dia. Isso ajuda a controlar a ansiedade.

Usar a respiração para aliviar o estresse e a ansiedade é fácil e os exercícios não tomam muito tempo. Tente alguma — ou todas — das técnicas acima e perceba como elas vão lhe ajudar a ser mais saudável e tranquilo.

Yoga e respiração: conheça a sua própria capacidade

Para a filosofia do yoga, é por meio da respiração que controlamos a nossa energia vital. Assim, podemos dominar as nossas emoções e pensamentos – e não deixar que eles nos dominem. 

Com exercícios respiratórios específicos, aumentamos a nossa concentração, vitalidade e presença. 

O yoga é uma prática de autoconhecimento, e a respiração é o fio condutor que nos conecta à consciência de nós mesmos. Nos apropriamos da nossa capacidade de enfrentar os desafios e buscar o equilíbrio e o bem-estar.

Com isso, podemos apontar três objetivos principais do yoga e respiração: presença e vitalidade, controle das emoções e melhora da capacidade respiratória. 

Vá além. Nós ajudamos!

Você pode praticar exercícios de respiração em qualquer lugar. Mas vamos combinar que ter à disposição uma série de exercícios, técnicas e orientações profissionais é muito melhor. No nosso Estúdio, você tem tudo isso e mais, pois a respiração anda de mãos dadas com a meditação, o yoga e com a promoção da saúde e bem-estar. 

Tem tempo? Ótimo, nossas aulas presenciais são perfeitas para você ter este acompanhamento.

Não tem tempo ou o deslocamento é mais complicado? Tudo certo, nosso estúdio digital foi desenvolvido especialmente para que você possa adaptar os exercícios à sua rotina e necessidades.

Vem com a gente! Clique e saiba mais:

Aulas on-line

Aulas presenciais em Niterói (RJ)